Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Desabafos,,

Da vida não quero muito. Quero apenas saber que tentei tudo o que quis, tive tudo o que pude, amei tudo o que valia a pena e perdi apenas o que, no fundo, nunca foi meu.

Desabafos,,

Da vida não quero muito. Quero apenas saber que tentei tudo o que quis, tive tudo o que pude, amei tudo o que valia a pena e perdi apenas o que, no fundo, nunca foi meu.

Adelino operário - poeta

Volto ao contacto com voces publicando uma série de artigos sobre poetas de Coimbra, Começo

manel martins, 08.07.22

adelino-veiga.jpeg

«Falar de Adelino Veiga, o operário-poeta, é prestar homenagem a um conimbricense que com dignidade representou uma plêiade de homens que a história citadina regista e jamais poderá esquecer.

Adelino Veiga mais do que a sua personalidade histórica é também uma figura simbólica; a figura do operário conimbricense, virtuoso, trabalhador honrado e inteligente, com notáveis aptidões literárias e artísticas.

Adelino Veiga nasceu em plena baixa de Coimbra, a 13 de Outubro de 1848, numa modesta casa da rua das Solas, o n.º. 19 (agora com o seu nome, rua Adelino Veiga).

Oriundo de família humilde, Adelino Veiga, era filho de Maximiano Bento da Veiga, natural da freguesia de Castelo Viegas, e de Maria das Dores, natural de Santa Justa, freguesia de Coimbra...

Cedo aprendeu com o pai a arte de barbeiro, consertador de chapéus de chuva, latoeiro de amarelos, chapeleiro e construtor de redes de arame, ajudando deste modo a subsistência da família.

 

Mais tarde residindo somente com a mãe e irmã Rosália Veiga (teve outro irmão - Maximiano Veiga) instalará a sua própria oficina de reparação de chapéus na Rua Nova da Rainha, actual Rua da Sota, onde está instalada a Agência do Banco de Portugal.

Devido a dificuldades económicas, Adelino Veiga, não teve um grande percurso nos seus estudos. Não chegou a concluir a instrução primária, o que sempre lamentou, mas a vontade de saber, a capacidade de destrinçar no seu explorado meio a realidade dos seus desejos, a consciência dos direitos de quem trabalha, enfim uma profunda sensibilidade de sentir e amar, tornaram-no num autodidacta. Testemunhos há que o encontram desde a tenra idade dos 15 anos, a versejar com facilidade e espontaneidade no "Café da Alexandrina", ao cimo da Praça Velha, hoje Praça do Comércio.

O operário-poeta não descurou, porém, a sua formação intelectual nem esqueceu a verdade da sua origem e as dificuldades que enfrentou, relacionando o seu passado e a sua vivência difícil, com a vida de problemas com que os operários se defrontavam ...

Sobre Adelino Veiga, poeta humilde, escreveu o escritor Campos de Figueiredo "nunca vi o seu nome nos compêndios escolares nem qualquer referência na história da nossa literatura onde figuram versejadores cuja obra nada tem a ver com a poesia. E Adelino Veiga bem merecia tornar-se conhecido pela sua qualidade de poeta que na realidade foi. Embora poeta menor, a verdade é que este operário de Coimbra viveu como poeta e deixou uma obra onde a poesia existe. Nem grande nem pequena: apenas poesia".

Adelino Veiga afirmou a sua extraordinária personalidade em vários campos da actividade cultural, a saber: na poesia, na oratória, no jornalismo, no associativismo, no teatro e no combate por reivindicações sociais

 

Do Livro “VIDA E OBRA DE ADELINO VEIGA – POETA-OPERÁRIO CONIMBRICENSE, António Gonçalves, GAAC – Coimbra, 199